Segunda-feira, 19 de Maio de 2008
Olhão é notícia em

Pechão nos caminhos da democracia participativa

Mais de 30 autarquias têm em curso projectos de envolvimento dos seus cidadãos nas decisões políticas, através de orçamentos participativos e outros processos de democracia participativa, fora do período eleitoral.

Na quinta e sexta-feira, autarcas e técnicos de 17 câmaras e de 12 freguesias, reuniram-se em Palmela no II Encontro Nacional de Orçamentos Participativos (OP), trocando experiências e buscando ideias. Enquanto em Palmela, - município percursor em Portugal do conceito de OP - o envolvimento dos cidadãos passa por debates que ajudam a elaborar o Plano de Actividades e o Orçamento da câmara, em autarquias como S. Brás de Alportel ou na junta de freguesia de Carnide (Lisboa), encetam-se projectos com escolas, procurando formar uma geração de cidadãos mais envolvidos com as suas comunidades.

A despeito do processo ser embrionário, a adesão a esta fórmula de democracia participativa suscita a curiosidade de câmaras de quase todas as cores como Aveiro, Salvaterra de Magos, Alenquer, Lisboa, Oeiras, Almada, Setúbal, Mealhada, Vila Real de Santo António, Seixal, Alcochete, Beja, Moura, Barreiro e Moita. E de freguesias como Pinhal Novo, Sarilhos Grandes, S. Sebastião, Pechão, Santo Antão do Tojal, Moita, S. Domingos de Rana, Rio Torto, S. João da Talha, Quinta do Anjo e Alcântara.

O conceito de participação, em complemento da representação - legitimada pelas eleições - é recente. Nascido na cidade brasileira de Porto Alegre, há 20 anos, o conceito de OP foi reconhecido pela ONU, em 1996, na conferência "Habitat". Em 2000, impulsionada pela participação popular na gestão da cidade, Porto Alegre foi escolhido para a realização do Fórum Económico e Social. O movimento nunca mais parou e hoje políticos sul-americanos e europeus (franceses, portugueses e suecos), introduziram-no nas agendas locais.

É um processo novo, explica Luís Guerreiro, assessor da presidência da câmara de Palmela. "Até há uns anos, o mais próximo de democracia participativa eram os conselhos municipais (educação, saúde ou segurança), mas era uma participação voltada para as instituições". O OP permite o envolvimento directo das pessoas, que ajudam a autarquia a definir os investimentos a ser feitos e a estabelecer prioridades. A prestação de informação e o acompanhamento do processo pelos cidadãos são decisivos para garantir a transparência, afastando os aspectos perniciosos do marketing político.

Depois de uma experiência em 1998, Palmela introduziu o OP em 2002. "Nos três primeiros anos atingimos 4% da população", diz Luís Guerreiro, acrescentando que nos últimos anos a participação diminuiu. "A quantidade não é um fetiche. Importa a qualidade da intervenção cívica e essa aumentou, pois as pessoas estão mais informadas". Além de que "a participação directa não é panaceia para tudo".

Palmela vive uma crise de crescimento, correspondente ao desfasamento entre o ritmo da discussão e o tempo necessário para concretizar os projectos. "Nos primeiros anos discutimos tantos investimentos que vamos demorar anos para os concretizar". Os "cortes" do Estado, que reduziram em quase quatro milhões de euros o orçamento quadrianual, e a crise económica, que diminuiu as receitas próprias, são aspectos que ajudaram a retardar a execução.

Os condicionalismos levam a novas preocupações. As pessoas começaram a preocupar-se com o espaço público, a iluminação, as pequenas obras. Luís Guerreiro reconhece que nem tudo é feito e muito menos ao ritmo desejado. Ainda assim, é gratificante. "Há coisas que fazemos devagar para aprender melhor."|
DN Online
 


mano zé às 07:44
link do post | comentar

acompanhe a
blogosfera olhanense actualizada a cada meia hora

 

     aqui

visitantes desde 26/12/2008

arquivos

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

subscrever feeds